Jornalistas e Saúde Pública – Celebração

“Cuidar do corpo e da saúde não tem nada a ver com parecer bem, mas sim com estar bem para você e com você”.

“Você nos dá ouvidos. Você nos dá olhos. Você nos dá voz. E nós damos os parabéns!”

Terça feira, 7 de abril, foi dia mundial da saúde e também do jornalista no Brasil. A Cwist não podia deixar de celebrá-la neste momento crítico da passagem da pandemia do coronavírus pelo planeta. Torna-se extremamente relevante realçar o papel que o jornalista tem neste momento de mudanças de hábitos da população que precisa se isolar para preservar a saúde do outro, mas também a sua própria.

Somos todos mortais e sujeitos a contrair o COVID-19. Cuidar da saúde é o que importa. Na ausência de vacina para o novo coronavírus os profissionais da saúde recomendam o isolamento social. Cada estrato da sociedade é impactado de forma diferente e a comunicação para cada qual precisa de ajustes de linguagem, árdua tarefa do jornalista.

A característica vital do jornalista é a liberdade de expressão, independentemente do veículo de comunicação que o emprega. Comunicar com isenção é uma arte e a força de caráter é o escudo indispensável para evitar a sedução exercida por interesses que buscam tirar proveito econômico e/ou político da situação. Considerando a abrangência do cenário que vivemos, fiz a escolha  de um tema para exemplificar a relevância do jornalista no esclarecimento das pessoas sobre saúde pública e a isenção ao noticiar e comentar a notícia.

A pandemia aproximou o poder público da sociedade civil organizadas. Todos acham que com o dinheiro público se deve alimentar os excluídos, pois a segurança alimentar dessa população é prioridade nesse nosso país tão desigual. As seguintes medidas já foram anunciadas:

  • Voucher para os desassistidos com dinheiro público
  • Recursos públicos para as empresas privadas manterem os empregos
  • MP para negociações trabalhistas para manter empregos com renúncias de parte dos salários do trabalhador e recursos do público
  • MP para amenizar a situação de estados e municípios com dinheiro público

Os três poderes legislam, fiscalizam e executam políticas públicas, porém protegem os seus direitos antes de olhar os interesses da sociedade. São servidores públicos sem espírito público. São os mais altos salários do país que se mantêm elevados enquanto a população tem fome, empregos são dizimados e empresas são fechadas.

São corporações com poderes para legislar. Legislam em causa própria, pois as causas públicas vem em segundo lugar. Vereadores, deputados estaduais e federais, senadores da república, juízes e procuradores da primeira à última instância, os juízes do supremo tribunal federal passam incólume pela pandemia. A Câmara ensaia proposta para reduzir salários de servidores públicos e o STF veta. Jogo de cena. 

A sociedade civil organizada, da mesma forma se aplica para defender interesses corporativos e se une no entorno do “Pacto pela Vida e pelo Brasil” cheio de frases de efeito que sensibilizam a opinião pública, porém tem caráter político visando plataformas eleitorais. Cabe aqui um destaque para a CNI que resistiu, mas assumiu a redução do sistema “S” em manifesto público, para que os recursos sejam destinados ao enfrentamento da pandemia. O mesmo não pode ser dito da OAB que afronta o executivo e coopta com o judiciário colocando a sociedade em risco com a liberação de criminosos condenados em segunda instância. A profissão de advogados criminalistas prosperam e a segurança pública vai para o brejo até que as causas transitem em julgado, isto é, deixar para as calendas gregas.

O poder da imprensa, via de regra coopta com os poderes da república pendendo para o lado dos políticos de plantão. O poder deveria estar com o jornalismo exercido pelo jornalista independente que, juntamente com o poder dos movimentos de rua, mudaram os rumos do país.

Pandemia se enfrenta com isolamento social. Bons hábitos alimentares e exercícios físicos fortalecem o sistema imunológico e dinheiro no bolso das pessoas desassistidas garantem a segurança alimentar e  o caráter dos formuladores de políticas públicas, bem este é um assunto que merece artigo próprio. 

Bem, a CWIST nesta passagem do coronavírus criou um produto para seus clientes não perderem o contato, mas aquecerem as relações com os seus por meio de interações virtuais. Procure o ONE PAGE no website da CWIST, não deixe seu cliente desassistido e comece a produzir para além da pandemia.  

Se cuidem, #fiquememcasa, #nutriçãoeimunidade, #caráter, redução de saláriodeparlamentares, #jornalistasaúdecomunicação e reflitam sobre a inspiração das frases acima de autores que não conheço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *